Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Dialógos Pertinentes

Dialogar com 
nossa própria 
consciência...
Já faço isso,  
há alguns anos.
Registrar 
no 
dia a dia,
da 
nossa 
presença, 
neste 
mundo....
isso eh um diário, 
e
é deixar um "testemunho" 
de nossa passagem 
por este planeta.
"Você escreve 
um diário exatamente 
porque não tem um confidente [...]
Então, 
escreves 
um 
diário 
para 
suprir 
este ser, 
que está faltando. 
[...
Oh yes...
O impulso básico de escrever, 
é mobilizar alguém, 
mas você não sabe direito 
quem é esse alguém".[...]
Somos mais felizes 
quando há 
uma compreensão, 
de nós, 
do mundo 
e da vida.
B. Spinoza
no século 17:
A felicidade é
a compreensão lógica
do mundo e da vida.
Mais discernimento, 
mais lucidez, 
menos angústias,
menos sofrimento,
Então
Autoconhecimento vem, 
com o tempo, ele
é importante para você
se revelar..descobrir seu 
lado forte e fraco, 
às vezes 
há 
a pessoa frágil, 
em 
outros momentos
e uma pessoa 
mais intensa, 
mais forte, 
uma pessoa meiga 
e poética.
A predominar este lado 
mais forte, somos melhores.
"Prefiro ser então primeiro, 
um verdadeiro ser, 
que tenta a cada dia,
no desejo
de se conhecer mais,
a si mesmo,  
profundamente, 
e aos outros,
em tudo com a experiência 
que a vida me deu.....  
com o tempo e o espaço...
Essa busca pelo 
autoconhecimento 
está a raiz de tudo...
Manter-se original  sempre 
também..
Uma mente intensa tentando 
se mobilizar,
um movimento da vida,
num sentido de 
dar sentido à vida.
Respondendo pela falta 
de um 
carinho maior ,

precisando romper o silêncio 
e outras vezes numa. 
solidão criativa, 
como expor a intimidade
como ser,
passa a ser vital...
"É impossível...
capturar a vida 
se a gente não 
mantém nesta linha"...
do se conhecer melhor,
isso passa a ser essencial também 
para sua própria evolução 
de teu jeito de escrever...
O mais surpreendente 
é que depois 
que você lê,
é que percebe
no tempo,
como tudo era diferente
o jeito de escrever..
e ver certas coisas 
mas não menos 
consistente do que vemos 
em seu texto atual...
ai se revela 
seu prazer pela escrita: 
Gosto de teclar, 
sentir,
os dedos deslizando de leve...
um ritual, 
algo sagrado na vida 
de um ser humano, 
um conexão de si, 
com o
o teclado 
como num tocar 
os dedos sendo tocados 
em cada momento,
sinto sim,
isso,
algo mais ritualístico.
O resultado 
vai de trechos
exuberantes 
a esboços
para algo futuro,
lapidado
ou que vai
acabar de ser lapidado...
eu sei que você 
um dia vai completar...
ou não teve 
tempo de realizar.
Nunca busco algum 
tipo de reconhecimento, 
me basta 
o prazer,
o prazer de escrever. 
A não-obrigação 
de escrever 
para publicar 
faz com 
que você..
eu no caso,
se solte 
nos teus escritos 
e tudo 
fosse menos "perfeito" 

que experimentasse 
mais em termos 
de linguagem.
Trato a inspiração como 
uma joia rara...
Pensamentos que me
vem à mente,
me 
permitem espiar 
não só meu mais íntimo, mas
meu esforço,
a luta para se encaixar 
nos escritos 
"bom pai e o homem", 
assim tudo passa a ser
um documento 
de uma época da vida: 
Verdadeiros textos, 
os meus diários 
vão a fundo 
e se misturam 
fragmentos 
de leituras, 
poemas,
meditações filosóficas,
sonhos, 
descrições. 
Toma 
forma 
de um monólogo, 
em 
que 
tem a mente,
e que anda
pensando 
e
se torna assim,
o impulso do escrever.
Ler os diários é acima 
também ter acesso 
às leituras 
e interesses além 
da nossa intensa 
vida interior. 
Portanto são 
interessantes 
para quem quer 
compreender 
melhor uma pessoa,
nos anos diversos 
de sua vida. 
Tudo se revela 
como um ser,
que não esta totalmente 
só aí,
" viaja... sonha... etc", 
uma vida em 
detalhes 
e os detalhes
e detalhes 
e ângulos possíveis, 
mas nem sempre 
sobre quem você eh...
tudo que é sobre você,
mesmos que 
se esforces muito, 
sempre 
terá algo ficcional...
nunca conseguimos ser verdadeiros 
o tempo todo.
Como os escritos, 
são 
escritos 
por 
alguém 
que 
sente, 
com todas 
as cores do 
viver 
e
com intensidade, 
com arte, 
pelo menos 
nossa própria versão...
modesta..
um versão de si,
pode ser 
como 
uma pintura..
assim........
ou uma flor.
algo verdadeiro.