Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

A Primeira.

A Primeira Beleza...
será a família..
sera sempre
minha mãe...
Eu no colo de minha mãe.
Eu no colo de minha mãe
e meus 4 irmãos..
Existe um aspecto saudável
em pensar sobre
a primeira pessoa
bela..
E ela 
a foto aparece,
ainda que um época 
tanto engraçada,
aquele bom momento
e o presente...
há muito tempo. 
Lá estará também, 
ainda que de
passagem, 
na MEMORIA..
de um lindo tempo
tudo a  ver  
com a alma à história minha..
também da 
conturbada da família..
Histórias de família 
assim não faltarão..
como coisas assim.
Personagens: 
a mãe  
na luta 
e força e humor
para criar os filhos.
Lembro da personalidade
materna da minha mãe
e das circunstâncias 
da infância,
que claro tem  
a ver com meus
momentos adultos..
As marca da irmã...
do irmão tal..
tal e tal nos acompanham..
Na  minha mente alterna
três momentos:
Iomerê,
1963,
Curitiba, onde fui morar 
em 1972,
minha
Dezembro de 1982.
Formatura em Medicina, 
Ela vendia vitalidade, 
buscava
o sentido para a vida...
ao seu modo,
mesmo em estado
terminal...
no ano de 2011
onde acabou tudo..

OUSADO


TENTAR COISAS..
SER OUSADO..
envolve, 
o cérebro.. 
Correr riscos: 
abandonar,
o usual, 
a rotina,
se lançar 
em coisas
novas
ATITUDES 
OU COISAS SEM GARANTIA.
Andar..num caminho diferente da rua ou mudar de cabeleireiro.
Outras são mais perigosas, mas expandem
 nossos horizontes e mudam a nossa vida, como aprender a nadar, andar de bicicleta ou dirigir.
Além de expandir nosso repertório 
de talentos, aceitar se lançar em atividades novas ainda traz uma vantagem bônus: a satisfação 
da conquista e, com ela, uma injeção de autoconfiança,
que, por sua vez, nos impele a continuar experimentando e testando (e expandindo) 
nossas habilidades.
No cérebro e fora dele se há risco iminente..se houver...concordância..
o risco será ignorado se houver esta determinação pré-frontal mais forte.
E assim que submetemos a determinados risco ou coisas novas.
Ah, a excitação de se descobrir capaz..é ousar
Que sensação deliciosa..uma injeção de dopamina que, agindo sobre meu córtex orbito-frontal 
e hipocampo, tornou a experiência prazerosa como inesquecível.
Vencer desafios é uma recompensa incrível,
só alcançada quando se aceita o risco..

PETALA BRANCA


BIANCA, upload feito originalmente por *...REBEL..*.
Uma rosa Linda encarna
beleza e odor..
Cada pétala
Cada traço
admiro
cada pétala da rosa.
Representa
algo como
viver 
de amor. 
da paixão
Alguém
me diz
é 
tão intensa 
essa sensação...
como...
internamente
na pétala
Tem a delicadeza,
acima de tudo
Quem
Ama a vida
Ama quem te ama
Ama enfim...
com a delicadeza branca da pétala.

Sunday.


Igreja de Agua Doce, upload feito originalmente por *...REBEL..*.
Domingo é o dia do Senhor...
"Mais não sei não" ...
Sei
que precisamos 
se voltar, 
a Deus não só por isso,
não por  ter medo
De nada...
não
adianta duvidar..
acho até indigno..
fugir  
das incertezas negando Deus..
resta
se abaixar rezar 
durante um tempo.
poucos...
fazem...
hoje no presente.
outros
fazem isso...
Nosso instinto de sobrevivência...
não comporta uma vida sem o lado espiritual..
O sábio ou racional,
todos
sabem que nossos medos,
não são bem explicados.
A rigor, 
nem sempre escolhemos,

muita coisas nos escolhem.
Minha viagem daqui,  
começa..
roteiro normal rumo a  casa.
a oportunidade de ver 
os campos  
que deixo..
Um momento precioso 
em que minha confiança 
nada
não 
é inocente na máquina.
Tenho direito a uma dose 
de natureza num  domingo lindo..
pensar, nas fotos.. 
e algo menos racional..
rezar ao Senhor...
ou
falar de si próprio.
bom demais...
cedo ou tarde, 
eis nosso íntimo, 
nosso destino..
explicações, 
seguem faltando...
não posso dizer mais, 
e mais a mais...
mais eu não sei.
Texto..
Photo 
Rebel

Flowers and Trees.

Algumas flores vêm e vão...
Desta vez
Faça 
você seu juízo, mas esta é de
parar e suspirar,
e foi assim
diante 
desta 
flor selvagem.
Toda vez, 
quando olho,
Muitas vezes, 
já me perguntei,
qual o motivo.
No meio das árvores,
folhas,
galhos, 
flores e pássaros.
Então, falava
debaixo das árvores favoritas,
no meio
da floresta nativa..
Algumas flores parecem,
fantasia, mas tão reais
Tudo o que você sente 
é uma atração interior,
pela beleza simples
e selvagem..
Faz a foto
como que 
você suspira
meio da floresta, 
como 
fora do tempo,
Lá embaixo, 
como num sonho..
Flores..
Vêm e vão...
De vez
parei e suspirei,
diante 
desta 
flor selvagem
Toda vez, 
quando olho,..lembro

No meio...
O colorido desta flor 
da foto
revela-se 
é algo
insubstituível, 
sensível
e sensual,
da natureza, 
nada 
demais intelectivo,
e mais
cores
são significantes
tem  vizinhança 
com uma
da pintura.
Lembrei do Disney..
Flowers and Trees,
que passava 
para meus filhos..
cantava com eles primavera..
que me dera..
Na prática, 
toda cor tem 
matiz fantástica,
revela-se
nas formas
de expressão
onde se junta,
no mesmo nível,
à pureza 
dos objetos
Fotografia é a minha arte,
galhos, 
folhas, 
troncos,
junto está 
uma bela flor, 
na mata nativa.
Os temas 
que escolho
são muitas
vezes 
vem das coisas
inspiradas
na pintura.
Gosta-se
ou
Ama-se 
estes
temas.
Quedas,
plantas,
flores,
troncos,
se multiplicam
na floresta 
e nas
minhas fotos..
no post do blog.
Haverá sempre
um jardim
um monte arvores,
onde estou.
A minha escolha
é minuciosa
e exigente, 
derivada
de meus interesses
no assunto.
Um dia eu chego lá,
num mesmo patamar próximo
da arte da pintura...
este eh o sonho de
todo fotografo.
Mas a fotografia bem feita,
insistindo
na sutileza das formas,
captando a beleza
meditada e 
das texturas
e tons e superfícies.
Apaixonar-se pelas
flores e arvores exóticas,
ou não,
ai é outro patamar,
mas se chega
a um momento que
se vai reproduzir nas fotografias,
um ar de delicadeza que elas representam.
As flores e plantas
são
como os seres humanos
tem lá suas expressões genuínas,
de fragilidade
e de beleza,
estão lá para retratar,
mas
com um mínimo
de fidelidade a elas,
sei
que 
tem que haver isso.
Um dia eu chego lá
a ter 
uma imensa beleza das obras,
fruto de uma intenção
dirigida à chamada
"criação artística",
de forma humilde de fotografar
em vários motivos
vegetais da mata atlântica
ou flores
desta mesma mata.
Usar fotografias
é como é retratar
ao vivo de cada espécie,
embrenhando-se
no fundo das selvas
para encontrá-las a
beira da estrada..
ou na cidade. 
A qualidade dessas fotos,
vai devagar
e de longe
no seu sentido
primeiro,
de demostrar,
depois
de oferecer
uma verdade
maior do
há por ai
nos matos
florestas
e jardins.
A relação íntima
estabelecida entre
o olhar que detalha,
que nada deixa escapar
e a minudência
observada
são insubstituíveis.
A arte de da fotografia
não tem uma pretensão
no terreno
uma expressa
intenção artística,
mas no realismo
mais profundo e fiel,
que nos transporta,
a flora e a botânica
para além do efêmero.


domingo, 29 de novembro de 2015

E eu, nesta imensidão

Pela vastidão
Viajo
sem asas
no meu dia.

Há 
um espaço,
um universo ensolarado.
Procuro 

assim mergulhar 
nas palavras...
Na tarde solitária e fria...

E eu 
encolhi 
nesta imensidão,
o sol,
que brilha assim docemente 
até nas
nas palavras.


Há um raiar de sentimentos,
cores breves no ar...
Haverá sempre manhãs,

tardes, 
assim
imensas ou breves.

Olhemo-nos assim tão docemente,
E que permaneça...

Iomerê, Fotografia e Poesia.

Gosto
de pensar,
olhando 
para
as montanhas, 
e imaginar,
como 
era aqui,
o lugar,
na 
sua 
origem, 
no tempo
que
ainda 
não havia Cidade.
Sempre existiu 
montanhas 
e colinas aqui.












Cada 
registro 
é de 
um território afetivo...
há muitos afetos aqui...
tudo começa nas montanhas.
Motivado pela morte da minha mãe 
em 2011...
tantas vezes retornei a cidade,
para materializar 
luto e a saudade.
A ideia inicial era algo documental 
fotográfico, com um texto poético.
Acima de tudo, 
é uma homenagem 
aos anos que passei 
ao lado de meus pais e irmãos aqui.
É algo carinhoso..
A proposta documental..
com narrativa poética, 
que mistura fotografias 
com textos que tenho, 
ou que encontro..
ou em investigação que envolvem 
meus pais e outros conhecidos.
Os documentos oficiais..
ou 
sem grandes ficções,
mas 
muita intenções louváveis,
A Iomerê existe na mente 
de cada um
a minha
é de sempre algo 
criado na mente nestes anos,
e hoje 
do fotógrafo amador,
muita coisa
de que conheço
é formada por 
imagens antigas, 
outras de arquivos,
que mostram 
lugares antigos, 
como o pavilhão
da igreja antigo.
lugares
solitários, 
como que 
abandonados,
no papel fotográfico,
pois existem  realmente
só ali agora
mas tudo
de Iomerê
ou 
em na maioria 
só há
os resquícios..
de lugares
esquecidos 
pelo caminho..
da cidade
mas há os que restam
como o Juvenato, o seminário,
o hospital
e abaixo

a igreja inaugurada 
em 1953,
e abaixo a  antiga.















Restos de memórias,
coisas 
e imagens
atuais.
A grama 
da praça
era que 
existia 
na época...
já não existe mais. 
Em minha vida
muitas e muitas 
vezes 
e quantas
vezes
estive nesta praça..  








Estive nesta praça..   
sem 
preocupação técnica,
deixando o
o sentimento 
de saudade escapar.


Em minha vida
muitas e muitas 
vezes já 
estive 
nesta praça, nestes lugares,
estive agora vendo
de longe 
nesta foto..   

Ver
fotos
do início 
e  fotos atuais
vejo como fotografia 
e poesia se misturam. 
Por ora,  
dou conta 
de absorver as 
mudanças
minha dor da perda íntima 
não só de minha mãe, 
que morreu neste anos,
durante o período que fiz estas fotos.

Gosto.. 
de pensar 
que 
é na própria cidade 
origem do meu
e do meu afeto..
por Iomerê.

Em frente ao
casarão da Freiras.
Por 
fotografar é que surge 
esta foto.
registrada
na última
visita que
fiz à cidade
para esse post.
Eu queria esta foto
uma paisagem
que se revelasse a
um
local, emblemático
de Iomerê,
mas acima de 

tudo significasse
todo meu afeto..
um lugar favorito..
andei por aí..
Entrei no casarão..
vi...
Escadas..
Capela,
Quadros
como sombras
e marcas do tempo,
presentes..
em várias fotos..

da cidade, 
dos tempos antigos..
mas tudo 
é muto dinâmico,
em se tratando de Iomerê,
onde tudo esta sob 
o mesmo céu, 
nem sempre há
os mesmos interesses..
nem o mesmo horizonte.
Na queda d'água..
o ruído incessante, meu território afetivo..
que domino em parte..
Muito de Iomerê é tão original,
fala por si mesma.
Posso 
admitir 
que 
conheço 
bem pouco
deste universo
deste lugar...

Há 
muitos 
afetos 
ai.
Tudo 
é 
como 
água..
tudo 
flui
assim.

photos antigas
cedidas por habitantes 
e antigos moradores 
de arquivo. 
Demais
Gosto
de 
pensar,
olhando 
para toda esta água que cai...
montanhas de gotas, 
e imaginar,
como 
estou 
aqui,
o lugar selvagem,
tudo
silvestre,
já na 
sua 

origem, 
Words
Photos
Rebel.